22 de abril de 2015

Riviera dei Fiori | Ventimiglia


Ventimiglia, o primeiro solo italiano que pisei na vida. Um marco importante para mim. O meu amor platónico por Itália teve uma folga nesse dia, deixou de ser platónico e pude vivê-lo intensamente. Sabia que não ia visitar as cidades italianas que tanto queria mas, naquele momento, aquilo bastava-me. Por um dia trocámos a Riviera Francesa pela Riviera das Flores, situada na província de Imperia, que fica na comuna da Liguria. Sabia de antemão que esta pequena cidade tinha muito pouco para visitar e, como ia com expectativas baixas, surpreendi-me pela positiva. Ventimiglia ofereceu-me uma das coisas que tanto ansiava e imaginei: comer massa em Itália! Comi uma Tagliatelle alla Carbonara que me soube pela vida. Nunca comi massa tão fresca, tão saborosa e, claro, enchi aquilo de parmesão ralado. Ventimiglia estará para sempre no meu coração. Foi a primeira de muitas cidades italianas que espero vir a conhecer.

Como ir de Nice a Ventimiglia? Apanhámos o comboio em Nice até Ventimiglia por 15€ por pessoa ida e volta. A viagem durou 48 minutos mas pareceu menos. Tal como todos os bilhetes de comboio durante esta viagem, comprámo-los através do site www.en.voyages-sncf.com que nos chegaram a casa por correio. Mal meti os pés fora da estação de comboio e ouvi italiano, só me apeteceu gritar! Gritar de felicidade! Contive-me. Apenas sorria para toda a gente. Entrámos logo no mercado lá do sítio para sentir as gentes e o local de forma genuína. E senti. E vi. E quero voltar a Itália. A qualquer sítio de Itália. Quem for a Nice, vale a pena dar um pulinho ao outro lado da fronteira, é tão perto! E claro, não podia ficar por aqui. A seguir fomos a Sanremo, mas esta cidade merece um post só para si!


A história de Ventimiglia - antiga Albium Intemelium - e do seu povo é milenar. Povo esse que resistiu aos romanos de forma prolongada até 115 a.C. mas que, entretanto, rendeu-se. Em 89 a.C. foi elevada a cidade, uns anos mais tarde sofreu umas invasões mas nada que uns muros e torres de vigia não resolvessem, por isso, prosperou até ao século V. Mas a paz não durou muito tempo. Foram invadidos pelos bizantinos, godos e mais uns quantos. Entre eles, a República de Génova que, após tanta insistência, lá conseguiu a rendição de Ventimiglia no século XII. Mas, tal como no passado, as pessoas desta terra continuaram a rebelar-se, pelo que apenas no século XVI é que Ventimiglia foi anexada à República genovesa. Estatuto que durou até ao século XIX.

E para visitar Ventimiglia, uma manhã chega. Normalmente, este é um local de passagem para quem sai de França e quer conhecer um pouco de Itália utilizando o comboio como meio de transporte. É aqui que se sai para poder apanhar outros comboios que nos levarão a outras cidades italianas. Não vos consigo dizer especificamente o que visitar porque não há pontos turísticos concretos para ver. No entanto, vale a pena conhecer a dinâmica local, as pessoas, o mar, a praia, as casas coloridas, as montanhas. 


Momento a partilhar: Já tinha lido pela internet que muito possivelmente em alguma paragem entre França e Itália iriam aparecer polícias a fazer uma vistoria ao comboio. Quem tem ar de suspeito (seja o que for que isto signifique) é pedido que se identifique. Até li que o pessoal moreno ou com "visível" ascendência africana tinha de estar preparado porque é com quem implicam mais. Bem, nós, por razões óbvias, preparámo-nos mentalmente. Estávamos quase a chegar ao destino e o comboio parou.

Vários polícias armados entraram em todas as carruagens do comboio olhando para toda a gente. Eu saquei logo do cartão de cidadão caso coiso. Mas não se dirigiram a nós. De repente, sinto um vento do meu lado esquerdo! Eram dois homens com a tal "visível" ascendência africana a fugir com sacos às costas e saltaram do comboio. Não conseguiram ir muito longe e foram apanhados. Dizem que todo aquele aparato é devido à imigração clandestina, contrabando ou tráfico e que estas vistorias são constantes naquele trajecto fronteiriço.

Seja pelo que for, aqueles dois homens mal conseguiram fugir porque estavam visivelmente mal nutridos, sem forças, os sacos que tinham roupa, parecia que pesavam toneladas em cima de corpos tão magros e fracos. Enfim, cenas que se vão vendo por este mundo fora. Nós vivemos mesmo numa redoma de vidro neste nosso Portugal.


VER TODA A VIAGEM À CÔTE D'AZUR


Viagem: Outubro 2014
Fotos: Carina Teixeira

3 comentários:

  1. Um passeio deveras emocionante.
    :)
    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo muiiito emocionante...a primeira vez em Itália, algo que ansiava há tanto tempo! :D

      Beijinhos

      Eliminar
  2. Que pena não teres conhecido mais de Itália... Promete que votas porque é dos melhores países a visitar ( com roadtrip pela toscana incluída) e a comida, Oh a comida!! Beijinhos

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...